MVV MANTÉM AÇÕES PARTICIPATIVAS COM AS COMUNIDADES

By 26 de junho de 2018Releases

Um projeto de mineração tem na comunidade onde está instalado uma relação de proximidade, seja na geração de emprego e renda, na preservação do meio ambiente e na valorização da vida. E desde que deu seus primeiros passos à instalação do projeto Serrote, no interior de Alagoas, entre os municípios de Craíbas e Arapiraca, a Mineração Vale Verde (MVV) tem cumprido com suas determinações com os moradores da região e ido além à construção de uma sociedade mais participativa, democrática e igualitária.

Atualmente, a MVV promove encontros com moradores de 14 comunidades de seu entorno, para a elaboração de um Diagnóstico Rural Participativo (DRP). A cada reunião nas localidades, as famílias apresentam sugestões sobre o que consideram importante para seu desenvolvimento e o que esperam com a instalação da Vale Verde.

E a MVV tem buscado ir mais além e levado orientações e estímulos aos moradores, principalmente às mulheres como protagonistas, para o fortalecimento do trabalho cooperativo, à busca por direitos e ao próprio desenvolvimento pessoal. Em recente encontro, as mães foram as convidadas especiais, mas com elas vieram também filhos e mulheres que ainda não chegaram a maternidade.

No evento, realizado no dia 18 de maio na sede da Associação Comunitária Juntos Somos Fortes, entidade formada por agricultores familiares assistidos pelo projeto Serrote e instalada em terras doadas pela mineradora no sítio Cupira – a MVV também doou lotes aos agricultores nas comunidades de Pau Ferro, Lagoa da Cruz e Bom Nome II -, os participantes receberam dicas de alimentação saudável com produtos colhidos em suas comunidades. Os ensinamentos foram apresentados pela nutricionista Renata Medeiros. Informações sobre direitos da mulher e quais encaminhamentos devem seguir e quais instituições devem procurar no caso de sofrerem condições contrárias à sua própria dignidade e vida também foram transmitidos na ocasião.

“A cada encontro, para traçarmos o DPR, fortalecemos a importância do associativismo, para que possam, unidos, produzirem mais e assim garantirem o próprio sustento e uma melhor qualidade de vida”, reforça Gyslane Chaves, analista comunitária da MVV. Junto com ela, a consultora da Vale Verde, Rita Lopes, mantém as orientações e aperfeiçoamento constante das famílias, principalmente às que fazem parte da associação Juntos Somos Fortes.

“Estamos inseridos neste processo desde o início e percebemos o avanço até então obtido e a consciência de todos que este é o melhor caminho, para que possam produzir e comercializar seus produtos com melhor qualidade e rendimento”, pontua a consultora.

Na relação de comunidades beneficiadas constam Corredor, Lagoa da Cruz, Baixa do Silva, Uruçu, Capim, Bom Nome II, Riachão, Pixilinga, Pau Ferro e Cupira, entre outras. “As ações relacionadas à comunidade vão além de nosso entorno e também contemplam moradores de cidades como Craíbas, Batalha e Arapiraca, seja com projetos de arborização, seja no apoio ao esporte, à arte e à educação”, acrescenta Henrique Marins, gerente de projeto da MVV.

Rita Lopes, consultora MVV, faz palestra sobre associativismo em encontro com a comunidade