Projeto Serrote conclui segundo objetivo: agora é a vez da flotação

By 10 de março de 2020Releases

De forma responsável, com a segurança em primeiro lugar, sempre. Assim foi entregue o projeto detalhado de engenharia da flotação da Mineração Vale Verde (MVV) no último dia 28 – ou seja, mais de duas semanas antes do previsto (15/03).

O conjunto de documentos e desenhos, preparado pela empresa especializada Ausenco, traz as especificações técnicas para a execução das obras civis e da montagem das estruturas e dos equipamentos dessa etapa.

A flotação é um dos métodos de concentração do minério de cobre. As rochas chegam até essa área após serem reduzidas de tamanho na britagem e na moagem para aproximadamente 0,1 milímetro.

A partir de um processo de separação em que se “borbulha” o ar em tanques, a polpa de minério é separada da parte que não possui valor comercial (rejeito) e a espuma formada “arrasta” o minério para a superfície: o tão almejado concentrado de cobre.

“O Projeto Serrote está com todas as aprovações técnicas e certificações necessárias à sua execução”, lembra o gerente geral de Implantação, Leandro Tunussi. Ele agradeceu o comprometimento e a perseverança de todos, em especial das equipes de Engenharia e Planejamento. “Essa era uma meta desafiadora. Vamos buscar a próxima, sempre com segurança em primeiro lugar”, pontua Tunussi.

Sobre a Appian

Desde 2018, 100% do capital da MVV pertence a um fundo de investimentos administrado pela Appian Capital Advisory LLP focado em mineração. O fundo também possui um ativo no Brasil no município de Itagibá (BA), denominado Atlantic Nickel, tendo foco na produção de concentrado de níquel sulfetado, com capacidade nominal de 120 mil toneladas/ano e que voltou a operar em janeiro de 2020. Sediado em Londres, a Appian possui ainda escritórios em países como a África do Sul e o Canadá.